Menu
15 de agosto de 2020
10º min
16º min
28/11/2018 às 09h50

'Ter tudo' não evita o risco de ter depressão, afirma psiquiatra


IVIAGORA - R7
Foto: Instagram da Anitta

Anitta revelou sofrer com depressão, mesmo após conquistar "tudo"

Belas, ricas e famosas. Anitta, Gisele Bündchen e Paula Fernandes já afirmaram ter sofrido de depressão.  

"Chegou um momento que estava tudo perfeito pra mim. Rompi todas as barreiras que eu esperava, eu estava casada, eu tinha tudo para estar feliz e foi aí que eu falei ‘tem algum problema aí’ porque eu não estava. Eu estava mal", relatou a cantora Anitta, em série documental que aborda sua trajetória, sobre a depressão que teve no início do ano. 

O psiquiatra Fernando Fernandes, do Programa de Transtornos Afetivos do IPq - Instituto de Psiquiatria do HC (IPq-HCFMUSP), explica que 'ter tudo' não significa que a pessoa está mais ou menos propensa a ser feliz. 

De acordo com o psiquiatra, a maior influência para a depressão e a felicidade, não é a quantidade, mas a qualidade dos relacionamentos íntimos, com os familiares e amigos mais próximos e com o parceiro.

Mas ele ressalta que, sentir-se triste não é sinônimo de ter depressão. O problema, que é confundido com as decepções, tristezas, angústias e frustrações da vida, vai além desses sentimentos. De acordo com Fernandes, a depressão é um conjunto de sintomas que afeta as àreas afetivas, cognitivas e físicas.

"Sentir tristeza intensa, que diminui com o tempo e tem motivos, é uma tristeza normal. Mas, se a tristeza não muda de intensidade ou piora, e é acompanhada de ansiedade, falta de concentração, alterações no sono e no apetite, dores e fadiga, por mais de duas semanas, os sintomas merecem investigação", afirma.

Fernandes explica que as adversidades rotineiras fazem parte da vida, mas, a falta de resiliência para enfrentar tais dificuldades mostram um número maior de frustrações entre os "millennials" ou geração Y, que são as pessoas nascidas entre 1980 e 2000. Desse modo, essa geração faz autodiagnósticos errados, quando o verdadeiro problema é a falta de habilidade para enfrentar os problemas, segundo o médico.

O psiquiatra diz, ainda, que a depressão não está relacionada à fama, beleza e classe social, não deixando as pessoas que os possuem, mais ou menos propensas a desenvolverem o problema.

Essa seria a segunda vez que Anitta teria tido depressão diagnosticada. Na primeira vez, de acordo com a cantora no documentário, a doença apareceu em um momento no qual o pai passava por dificuldades no emprego e o irmão havia largado a faculdade por sua causa.

Já a top model Gisele Bündchen e a cantora Paula Fernandes já afirmaram ter pensado em largar a carreira devido ao problema.

Segundo o médicos, as pessoas tendem a ser menos felizes quando os principais relacionamentos afetivos não têm boa qualidade, estão afetados ou não existem. Entretanto, o médico afirma que é possível ser feliz sozinho também.

"A ciência não exclui que a felicidade existe quando se está só, mas a ciência afirma que as pessoas são mais felizes quando têm bons relacionamentos", finaliza.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini